__
ANDRÉIA ALVES PIRES
_
O jardim das glicínias
_
(Traducción al portugués de_"El jardín de las glicinas,"_de_Nela Rio)
_
O rumor chegava no perfume. As flores tocavam-se, inclinavam-se umas sobre as outras, roçavam talos, sacudiam-se tateantes e frágeis. O aroma, em cachos penetrantes e azuis, fazia parte da brisa nessa tarde de primavera. O tronco fino e os ramos como dedos largos presos contra a parede, retorcidos, como sofredores, eram de um marrom escuro, as vezes mesclado com branco acinzentado. As flores da glicínia pareciam pertencer a outro corpo, eram tão brilhantes e frágeis e fragrantes. A planta não tinha folhas na primavera, só o corpo que sempre parecia velho e as flores e o perfume. A glicínia estava contra uma parede de ladrilho. O contraste do azul contra o vermelho apagado era surpreendente. Podia-se até ignorar o tronco e os ramos para que só restassem o azul contra o vermelho e o perfume. Havia também outras flores e era curioso que, ainda que mudassem, a glicínia permanecia contra a parede de ladrilho, sempre em flor.
_
O quarto estava às escuras. A porta fechada, sem chave. Ela estava no chão, agachada e abraçando-se aos joelhos, tratando de desaparecer atrás da cama. O bebê chorava no outro quarto. Ela empurrou uns papéis debaixo da cama. Ele entrou e não demorou encontrá-la. Foi até ela e a abraçou “Minha menina, meu amor...”, a fez ficar de pé e sentar-se na cama. “Olha essas lágrimas, não, não chores”, e beijava-lhe o rosto “minha menina, meu amor”. Rodeou-a com os braços e a aninhou, sossegando-a. A afastou uns poucos centímetros de si mesmo, “olha, olha como está o teu rosto... meu amor... não me faças repetir...se não insistisses com tuas coisas eu não faria... olha, olha, teu rostinho...” e agora era ele quem chorava, gemendo, pedindo perdão... “Não me faças repetir, por favor... por favor... acabemos agora com essas pinturas... assim, assim... vês?, Se pintasses flores seria diferente, mas insistes...”. Ele não viu uma das pinturas que havia ficado embaixo da cama. Levou-a ao banheiro e quis lavar-lhe o rosto. O bebê havia deixado de chorar. Ela também. Ele não gemia. Agora era ela quem queria lavar-lhe os nós dos dedos da mão direita, ligeiramente ensangüentados, “é tudo minha culpa... me perdoa... pintarei somente flores”... “Me prometes?”, perguntou com cara e gesto de mimoso... “Sim, meu amor”.
_
Seguiram-se dias felizes, outros não tanto. Os pedidos de perdão e a insistência de não fazê-lo nunca mais cresceram tanto como o menino. Com o tempo ela se fez famosa em sua pequena cidade por suas coloridas pinturas, sempre com flores muito vistosas.
_
Encontrava-se com Pepita, uma de suas melhores amigas, todos as terças à tarde para tomar um chá com “bobagens”, como chamavam a tudo o que comiam com gosto. Bem, talvez nem todas as terças. Havia algumas em que telefonava à Pepita e cancelava o encontro. As razões eram, a princípio, muito complicadas, com quedas de escadas ou tropeços à entrada do edifício, ou que havia trombado com um menininho de bicicleta, etc., etc. Com os anos Isolina havia perdido o interesse em inventar histórias e só bastava dizer “hoje não posso” para que Pepita entendesse. Tornou-se mais difícil, talvez, quando seu filho chegou à adolescência e aprendeu o jogo das recompensas através da ameaça e do temor. Isolina, que pintava algumas vezes em um quarto às escuras e outras em outro muito iluminado, fazia-se pequenina e não fazia ruído na casa que já, talvez nunca, havia sido sua. Uma vez Pepita começou a dizer “terias que terminar com isso de... não deverias tolerar...”. Isolina havia aberto bastante os olhos e posto ponto final na conversa com o olhar. Pepita não insistiu nunca mais.
_
Sabendo de onde vinham, Isolina encontrava folhetos dentro de livros ou revistas, na cesta das frutas, com informação sobre condutas horríveis que nada tinham a ver com ela ou com sua família. Rasgava os folhetos enquanto olhava para outro lado.
_
Cada vez que vendia um dos quadros voltava para casa com certa tristeza que ninguém explicava. Como no dia em que na galeria de arte deram-lhe uma menção honrosa por “Begônias” e ela quase não sorria. Seu esposo enchia-lhe de presentes e insistia em comemorar e apertava-lhe o braço com força mandando uma mensagem para que sorrisse. Ela a recebia e sorria. Convidaram muita gente e conversaram com a facilidade e o deleite dos que não dizem nada e beberam até tarde. Quando todos se foram e a casa ficou às escuras porque deveriam dormir, Isolina caminhou com cuidado pelo corredor e foi ao quarto onde passava roupa, que também servia de despensa onde guardava a mercadoria que encontrava barata nos mercados. Retirou os cestos de vime que estavam sobre a mesa, tirou a madeira deixando somente a armação da mesa com os quatro pés.  Girou a tábua e ali, fixado por quatro pregos, havia um lenço pintado a óleo. Olhou-o por um instante, recordou as muitas pinturas terminadas desde que havia entrado nessa casa – e que logo, sistematicamente, havia destruído – pinturas contando uma história que deveria guardar tão zelosamente como guardava dos outros sua tristeza.
_
Quando pintou as margaridas decidiu agregar calêndulas e morangos. Sobre os tijolos do pátio havia grandes vasos com gerânios vermelhos e não tinha certeza se colocava ou não uma trepadeira à entrada do que deveria ser a cozinha. Antes de fechar a caixa com suas pinturas deu um último toque à glicínia que apenas se via por trás de uma laranjeira. Apareciam apenas três cachos azuis e ela tocou uma das flores com o pincel, sem pintura, só por tocá-la. Havia aprendido com as flores essa leveza de gesto, a carícia e a ternura no movimento, o modo de alçar a cabeça, recolher o cabelo, por a tábua da mesa com delicadeza, outra vez, sobre os quatro pés. Havia visto sua vida nas pétalas das flores de laranjeira, jasmins, rosas e cravos. Sabia como o sol acariciava e as sombras abrigavam. Percorria o pátio dos quadros sempre amparada em suas glicínias, para não se perder, para não confundir seu lugar, que diariamente se desdesenhava. Ela voltava ao perfume, a seguir nos caminhos do jardim, entre o pasto e as figueiras, o rododendro e as prímulas. Sabia há muito tempo que precisava sair, que este jardim não era o outro. Ela não entendia a violência. Por isso se sentia mal até quando uma pintura não ficava como deveria e tinha que retocá-la, agregar-lhe uma cor, uma intrusão de amarelos em uma violeta mal formada. Não, não gostava de fazer isso, pois sabia que doía, que a violeta nunca mais se reconheceria, porque teria feridas que não poderia explicar e preferiria fundir-se ao pasto do jardim e não aparecer com a única pétala violeta. Até parecia-lhe que algumas vezes seu pincel era como um sapato que pisava as flores. Claro que sabia que deveria sair. Mas como explicar, como ver-se de outra porta sabendo que todos falariam, que o profissional admirado seria salpicado com barro como quando se rega com força o jardim... por isso sempre destruía as pinturas da história, como ele havia feito tantas vezes até que ela aprendeu. Quando as vezes dizia para si que talvez pelo fato de estar perto ela o havia provocado...  sabia que mentia. Sabia que havia somente um passo entre a sua porta e a outra. Mas desta vez, como outras, voltou às suas comidas, a limpar a casa, a preparar as camisas com um pouquinho de amido, e já!
_
Talvez fosse porque a chuva era fininha e quase não havia ruído sobre as folhas ou talvez fosse porque se viu no espelho e reconheceu os sinais do nunca acabar, ou talvez porque sem querer chegou ao quarto que estava às escuras e soube que poderia ver as glicínias. Tirou da terceira prateleira do armário sua caixa de pinturas. Com segurança acendeu a luz sem importar-se que fosse quase três horas da manhã. Retirou os cestos que estavam sobre a mesa. Levantou a tábua girou-a. Colocou-a sobre a mesa de passar roupas, que era seu suporte, e o olhou como um encontro. Seu olhar era tão lento que parecia não só tocar as cores, mas colocá-las. Ali, uma mulher loura contra uma parede de ladrilho. O cabelo era espesso, em ondas, longo sobre as costas, extremamente artificial. Ela pegou o pincel e trabalhou muito tempo mudando não só a cor do cabelo, agora castanho, mas também o comprimento e o estilo. Assim. Ela. Assim era ela. Ou melhor, assim havia sido ela. A mulher estava obviamente correndo e sua expressão era de angustiante espanto. Os olhos aumentados pelo terror, um braço levantado para proteger-se, o outro buscando algo para escapar, para escapar... Isolina tocou-lhe o rosto, beijou a ponta de seu dedo e a encostou nos lábios da outra que tinha agora seu cabelo, o castanho original e algumas mechas novas. Tocou-lhe a mão de dedos crispados e magros, sofredores, de um marrom escuro mesclado com branco acinzentado e disse-lhe “Faz muito tempo... agora sim, é hora de sair”. Com uma destreza indescritível, com uma maestria de anos, Isolina Pintou uma porta na parede de ladrilho para que a mulher encontrasse algo para abrir e escapar. E prontamente Isolina encontrou-se no outro lado, no jardim, no sol de todas as primaveras pintadas tocando-lhe a pele, sim, sua pele, e se deixou acariciar pelo descobrimento de sua fortaleza, de sua resolução, e saboreava a certeza de uma decisão final. Aspirou profundamente a vida nova, outra vez, assim, profundamente, e o cheiro das glicínias entrou-lhe pela pele em direção ao centro da alma. Havia esperado tanto tempo para vestir-se de primavera. Dava voltas e voltas e tocava as anêmonas, as clavelinas, os jacintos e os manjericões, os nardos, as açucenas, os hibiscos, as gardênias e as amapolas, os pensamentos, os lírios, as dálias e os gladíolos, todas as suas flores a recebiam de distintas estações. As flores azuis que sempre estiveram do outro lado do quarto escuro se apoiavam agora na porta recém aberta e riam em cachos, sacudiam-se e exalavam perfumes, celebrando. Isolina ligou para Pepita “é hora de ir ao refúgio, ao do jardim das glicínias”, e fechou a porta do quarto escuro.
_
_
Otras muestras de su obra:
_
__
Regrese a la página inicial de ANDRÉIA ALVES PIRES
__
_
Diseño web - Copyright © 2005-2010_Asociación Canadiense de Hispanistas
Texto - Copyright © 2010_Andréia Alves Pires._Todos los derechos reservados
 
Página puesta al día por_Felipe Quetzalcoatl Quintanilla_el 12 de octubre de 2010
_
_
_
Número de visitantes* desde el 1 de junio de 2009:

myspace counters
__
**Visitas a cualquier página de http://fis.ucalgary.ca/ACH (ACH,  RCEH y RC)
_